Por que inserir educação financeira nas empresas para funcionários?

Quando um funcionário está passando por problemas financeiros, é muito comum que seu rendimento no trabalho seja prejudicado, podendo levar a problemas tanto físicos quanto emocionais, elevando os afastamentos e diminuindo a produtividade, e nisso, uma boa educação financeira pode ajudar.

Isso porque a falta dessa educação é um fator determinante no desenvolvimento pessoal e profissional de qualquer pessoa.

Funcionários com uma boa educação financeira podem ter um equilíbrio maior em suas vidas, o que representa um ganho de desempenho e de produtividade no trabalho, em virtude disso, uma empresa que investe nisso, tem muito a ganhar.

 



Menor rotatividade

Outro problema que pode ser solucionado quando os empresários investem na educação financeira de seus colaboradores é o índice alto de rotatividade. Em muitos casos, a pessoa endividada busca a demissão como forma de ter recursos suficientes para arcar com as dívidas. Uma equipe comprometida e capacitada é essencial para melhorar uma empresa. Portanto, quem deseja reter os talentos no próprio time, deve encarar a educação financeira como aliada.

Qualidade de vida

Empresa consciente se preocupa com o bem-estar de seus colaboradores. Estimular a equipe a cuidar da saúde financeira acarreta em mais qualidade de vida para todos. Os empregados passam a realizar mais sonhos, conquistam objetivos pessoais e alcançam metas, além de aprenderem lições sobre planejamento.

Estes ensinamentos impactam no desempenho profissional, incentivando a consciência, por exemplo, de cuidar dos recursos da empresa.

Motivação

Uma coisa leva a outra: colaboradores com as finanças em dia e satisfeitos por realizarem sonhos próprios e das famílias, conseguem ter mais foco na carreira. Assim, estarão ainda mais motivados a trabalharem para chegarem mais longe e atingirem novos objetivos.

Clima favorável

No fim das contas, a educação financeira para as empresas se reflete na melhoria do clima organizacional. As pessoas ficam mais tranquilas por estarem com as contas em dia, sentem-se mais motivadas a trabalharem pela expansão da companhia, cumprem seus objetivos de vida e, consequentemente, convivem com maior harmonia com os demais colegas.

Dicas para instaurar um programa de educação financeira para as empresas

Muitas empresas já compreenderam o papel que possuem junto às equipes para conscientizar seus colaboradores quanto à organização das finanças pessoais. Mas, por se tratar de uma ação ainda pouco desenvolvida pela maioria das organizações, é comum que este processo desperte dúvidas.

Com planejamento e ajuda, no entanto, é possível estruturar um programa de educação financeira assertivo e que vai, verdadeiramente, contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos colaboradores. Listamos abaixo alguns pontos que devem ser observados neste momento.

Planejamento: antes de contratar um programa de educação financeira, por exemplo, é fundamental avaliar o perfil da organização. Ou seja, analisar a estrutura e perfil dos trabalhadores. Idade, escolaridade, estilo de trabalho: tudo isso interfere na hora de decidir qual será a abordagem mais adequada para que o projeto alcance os efeitos desejados.

Engajamento: a educação financeira para as empresas deve englobar toda a organização. Até mesmo os níveis hierárquicos elevados, com salários mais altos, podem usufruir deste benefício. Gerir o próprio dinheiro é importante em qualquer fase da vida. Não deixar ninguém de fora nesta hora é o mais indicado.

Plano amplo: começar com pequenas ações, como consultorias pontuais e workshops sobre finanças pessoais é interessante, mas a empresa pode ir além. Envolver a família dos colaboradores, oferecer suporte e acompanhamento personalizado até que ele aprenda a lidar com seu orçamento doméstico sozinho são medidas interessantes. Imagine, por exemplo, desenvolver eventos ou ações de educação financeira infantil? Aprender a lidar com dinheiro desde cedo ajuda a formar um cidadão mais consciente de seus limites e necessidades.

Empréstimo consciente: caso a empresa decida oferecer empréstimo consignado aos colaboradores, por exemplo, é essencial destacar os critérios que devem ser considerados. Assim como uma organização precisa ponderar sobre quando fazer empréstimo, os indivíduos também precisam estar atentos. O financiamento deve ser usado de forma consciente, tendo em vista que ele terá a renda comprometida mensalmente para quitar os valores devidos.

Conversar sobre dinheiro é algo delicado para muita gente. Portanto, não é incomum que os colaboradores sejam resistentes às primeiras tentativas das empresas de implantarem um programa de educação financeira.

Em muitos casos, as pessoas se sentem incomodadas em revelar que estão passando por dificuldades financeiras, que possuem dívidas ou que não têm controle do orçamento doméstico. Superar este tabu é um desafio para as organizações, mas que pode ser superado com diálogo e paciência.

A principal dica para que apostar na educação financeira para as empresas e assegurar que a iniciativa será bem-sucedida é manter o diálogo aberto. Ações de comunicação com os empregados, que deixem claro os objetivos do programa e reforcem os benefícios trazidos por esta medida são fundamentais.Começar reunindo pequenos grupos também é eficaz: aos poucos, eles podem engajar outros colegas a participarem.

Assim como seus colaboradores, a sua empresa também precisa de um planejamento financeiro eficiente. E, às vezes, uma ajuda pode ser bem-vinda para quitar dívidas ou alavancar o crescimento. Com a Insuran Investimentos é possível obter este apoio de forma prática e rápida. Envie um email para luiz@insuran.com.br e saiba como implementar esse programa na sua empresa.

Preencha formulário abaixo e entre em contato conosco:


+55 11 4557-6902 | 4557-6896
Somos uma empresa de consultoria especializada em proteção e planejamento financeiro, que usa ferramentas de investimentos e seguros para promover a tranquilidade. Fale com de nossos especialistas.